OZÔNIO: Um verdadeiro tratamento de BELEZA

As informações veiculadas neste documento têm caráter apenas informativo e não podem, em qualquer hipótese, vincular qualquer conotação com propriedades terapêuticas aos nossos produtos. O médico é o único profissional competente para prescrever o melhor tratamento para seus pacientes.

História

O gás ozônio foi descoberto em 1840 na Suíça por Christian Friedrich Schobein enquanto trabalhava com alta eletricidade na presença de oxigênio, ao ser produzida uma descarga elétrica detectou a formação de um gás de odor desagradável. Werner Von Siemens, em 1854, construiu o primeiro gerador de ozônio, refazendo as condições de formação desse gás. Nessa época já estava certo de que o ozônio era instável, tendo que ser produzido e logo em seguida utilizado. (BOCCI, 2005)

Com a construção de geradores de ozônio iniciou-se sua utilização na aplicação industrial, ou mesmo para a limpeza da água, provando sua potente ação bactericida. (BOCCI, 2005)

A ozonioterapia na medicina foi aplicada pela primeira vez na primeira guerra mundial em soldados alemães com gangrenas pós-traumáticas, obtendo grande sucesso. (Travagli,2010)

A Utilização do Ozônio na Medicina

E. A. Fish foi o primeiro a colocar em prática o uso do ozônio em sua clínica odontológica. (BOCCI, 2005)
O doutor E. Payr, cirurgião, com a utilização do ozônio tratou de gangrenas e mais tarde provou a eficácia deste no tratamento cirúrgico. Posteriormente viria a ser o primeiro a injetar o gás via venosa, bem lentamente com sucesso.

De acordo com BOCCI, as principais indicações da ozonioterapia na medicina são:
-Doenças infecciosas
-Doenças vasculares e isquêmicas
-Doenças oftálmicas
-Doenças ortopédicas
-Doenças dermatológicas
-Doenças pulmonares
-Doenças renais
-Doenças hematológicas
-Doenças neurodegenerativas
-Doenças autoimunes

Amplamente utilizada na medicina na Europa, Ásia e Cuba, a terapia está sendo utilizada na medicina veterinária nessas regiões. Na América Latina e Estados Unidos, é aplicada como uma alternativa eficiente e de baixo custo auxiliando no tratamento de feridas de difícil cicatrização, principalmente em pacientes diabéticos e na desinfecção de feridas contaminadas (Scrollavezza, 1997; Ogata e Nagahata, 2000; Hernández e González, 2001).

A Ação do Ozônio

O ozônio melhora a oxigenação e metabolismo do corpo (Pino et al., 1999), tem efeitos bactericida, fungicida, viricida e melhora a circulação sanguínea (Guerra et al., 1999).

A flexibilidade dos eritrócitos é aumentada pelo tratamento com ozônio, isso facilita a passagem dos mesmos pelos vasos capilares, garantindo um melhor suprimento de oxigênio tecidual (Leite, 1999). Também reduz a adesão plaquetária, atua como analgésico, anti-inflamatório e estimulante do sistema retículo-endotelial (Hernández e González, 2001).

Devido à capacidade antioxidante potente do sangue, parte da dose de ozônio dissolvido no plasma é imediatamente neutralizado por antioxidantes livres (ácido úrico, ácido ascórbico, glutationa reduzida - GSH, cisteína e albumina), enquanto o restante do ozônio reage com os 14 ácidos graxos poliinsaturados (AGPI), continuando a reação do ozônio com o sangue (Travagli et al. ,2010).

A alta reatividade do ozônio, faz com que as reações bioquímicas ocorram em poucos segundos quando em contato com o sangue, Bocci et al. (2011) demonstraram que, de fato, quando se mistura em um vidro estéril a quantidade de aproximadamente 200 ml de sangue humano com 200 ml da mistura gasosa O2 e O3, dentro de cinco minutos, o ozônio é totalmente extinto e o oxigênio satura completamente a hemoglobina (Bocci et al., 2011).

Referências Bibliográficas

- BOCCI, V. Ozone: a new medical drug. 1ª ed., ed. Springer, 2005.
- BOCCI, V.; ZANARDI, I.; TRAVAGLI, V. Oxygen/ozone as a medical gas mixture. A critical evaluation of the various methods clarifies positive and negative aspects. Medical Gas Research, v.1, p. 6-15, 2011.
- BOCCI, A. V.; ZANARDI, I., TRAVAGLI, V. Ozone acting on human blood yields a hormetic dose-response relationship. J. Transl. Med. v. 9, p. 66, 2011.
- GUERRA X.V., LIMONTA Y.N., CONTRERAS I.H., FREYRE R.L., RAMÍREZ A.M.P. Resultados de loscostosenozonoterapia.In: Revista Cubana Enfermer, 1999; p.104-108.
- HERNÁNDEZ O.; GONZÁLEZ, R. OzonoterapiaEn Úlceras flebostáticasin: Rev Cubana Cir , 2001; v.40(2) p.123-129.
- LEITE, R. C.; Ozonio, 1. Ed.- Curitiba: Corpo Mente Publicações, 1999. 138 P.
- PINO, E.; SERRANO, M.A.; RODRÍGUEZ DEL RIO, M. Aspectos de laozonoterapiaen pacientes conneuropatía periférica epidémica. In: Rev. CubanaEnferm., v.15, p.114-118, 1999.
- SCROLLAVEZZA, P.; FERRARI, F.; MARTINI, F.M. ozone treatment and blood lactate variation after thoroughbred racehorses. In: world equine veterinary association mondial congress, 5., 1997, Padova. Proceedings... Padova: [S.N.] 1997. P.466. (Resumo).
- TRAVAGLI V, ZANARDI I, BERNINI P, NEPI S, TENORI L, BOCCI V: Effects of ozone blood treatment on the metabolite.